Recomendo

A história de Nicky Cruz é parecida com a de milhares de jovens e adolescentes que vivem nas grandes cidades espalhadas pelo mundo. Rejeitado pelos pais, carente de afeto e atenção, ele fez das ruas o seu lar, dos amigos, a sua família. E acabou vivendo em um território sem lei, onde os fortes subjugam os fracos; onde não há espaço para os valores éticos e morais; onde tudo é conseguido na base da violência... Ainda que seja preciso matar.

Experiência e Vivência

 “O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro”

Efésios 4.14

 

O chamado de Deus é uma experiência extraordinária, mas que não define tudo o que Deus tem como propósito para a nossa vida.

O apóstolo Paulo exortava a igreja em Éfeso à maturidade. Uma coisa é o crente “velho” na igreja, outra é o crente maduro. Nosso tempo contado a partir de uma experiência não indica, necessariamente, crescimento. Infelizmente, é possível encontrar crentes com longo tempo na igreja sem, contudo, terem alcançado a maturidade espiritual.

A maturidade espiritual está ligada diretamente ao nosso relacionamento e obediência a Deus. Quando abrimos mão dos valores que são importantes para nós e recebemos o que Deus tem preparado, então, entramos no caminho da maturidade.

Neste caminho, a maturidade começa a se manifestar trazendo sinais do crescimento espiritual.  Como cristãos, os sinais de maturidade são visíveis. O cristão maduro não segue as novidades religiosas que sugem a cada dia. Os inimigos do Evangelho também estão presentes, disfarçadamente, nos meios evangélicos, e seu objetivo é raptar os filhos de Deus e levá-los pelo caminho do engano e rebeldia. Estes não tentam ganhar almas para Cristo, pois não tem boas-novas a apresentar. Seu grande alvo é o crente imaturo, o que explica por que tantas pessoas deixam de frequentar as igrejas locais e preferem viver uma vida de auto apascentamento.

Sabemos que, como membros de um só corpo e de uma congregação local, pertencemos uns aos outros, influenciamos uns aos outros e precisamos uns dos outros. Cada cristão, por mais insignificante que pareça ser, tem um ministério a realizar junto a outros cristãos. O corpo cresce quando os indivíduos crescem, e os indivíduos crescem quando se alimentam da Palavra e ministram uns aos outros.

De acordo com pesquisas científicas, os bebês que não recebem atenção, quando nascem, não crescem normalmente e são mais susceptíveis a doenças, enquanto os bebês que recebem atenção crescem normalmente e são mais fortes. O mesmo se aplica aos filhos de Deus. Um cristão isolado não pode ministrar a outros nem ser ministrado por eles por meio dos dons.

Assim, a maturidade espiritual não é algo que criamos. Antes, é algo desejado por Deus e que já possuímos em Cristo, e que devemos buscar e manter. A verdade une, mas as mentiras dividem; o amor une, mas o egoísmo divide. Preparemos e edifiquemos uns aos outros, para que todos possamos crescer e nos tornar mais semelhantes a Cristo.